terça-feira, 30 de setembro de 2008

Forever People

Passei esses dias entretido com algumas novas (velhas) histórias em quadrinhos. Especialmente com "Forever People" de Jack Kirby, "Visões de 2020" de Jamie Delano e Frank Quitely, "Sgt. Rock" de Kanigher e Kubert.

Forever People é uma das revistas que Jack Kirby quando saiu da Marvel e começou a trabalhar novamente com a DC, em 1970. Eram várias revistas em que ele fazia roteiro, arte e edição, com sua energia prodigiosa e imaginação infinita. Estes títulos formavam o chamado "Quarto Mundo" (Fourth World), uma explosão de novos personagens e conceitos. O personagem que se tornou mais famoso foi justamente o vilão da saga, Darkseid. "Mister Miracle", "New Gods", "Forever People" e "Jimmy Olsen" se interligavam, mesmo indepentes, e mostravam a evolução de uma grande história. Mas para tristeza de Kirby e dos fãs, a DC resolveu parar com as publicações, que não obtiveram o retorno finaceiro esperado.

De certa forma, essas revistas foram um precedente para a grandiosa saga interligada "Sete Soldados da Vitória", de Grant Morrison, que consistia em sete mini-séries indepentes.

Ironicamente, Morrison teve seu pior momento na mini do Senhor Milagre, um dos personagens de Kirby. O roteiro, que pretendia reformular o conceito do Quarto Mundo, foi simplesmente pífio, e a arte ficou muito abaixo do nível das outras minis que compunham a saga (com exceção para o número desenhado por Pascual Ferry). No entanto, Morrison obteve sucesso absoluto ao revitalizar duas outras criações de Kirby, o "Guardião de Manhattan" e "Klarion, the witch boy" (os pontos altos, junto com Frankestein).

Forever People talvez seja inédito no Brasil. Se houver alguma edição desse material, deve ser muito antiga, perdido em revistas da Ebal ou coisas do tipo. Outros títulos dessa fase de Kirby foram publicados aqui, como Novos Deuses e Senhor Milagre. Mas vale salientar que essa edição importada de Forever People que eu peguei tem vantagens muito fortes em relação a essas publicações recentes da Opera Graphica. Porque ela é respeita o formato americano original, enquanto estas outras diminuem o tamanho das páginas. E também porque ela vem com tons de cinza (as séries não foram feitas para publicar em preto e branco chapado, como nas edições da Opera Graphica, mas sim em colorido, e os tons de cinza dão uma idéia mais próxima do resultado original.) Além, é claro, do texto original.

Triste saber, no entanto, que a DC Comics na época fez interferências nesse trabalho. O Superman que aparece no primeiro número foi redesenhado por outra pessoa. E forçaram Kirby a incluir uma participação do Desafiador (Deadman) que, aliás, fica péssimo no traço dele.

Ah, e acabo de descobrir um link interessante sobre o criador:
http://jackkirbycomics.blogspot.com/
http://kirbymuseum.org/blogs/kirby/

por hoje é só, folks!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Entrevista: George Belasco & O Cão Andaluz

Depois de algum tempo consegui que o George me respondesse (nem lembro mais quando mandei as perguntas, mas já fazem meses!) e assim finalmente a entrevista está pronta aqui no Não Se Restrinja Ninja.


Trata-se de uma das minhas bandas favoritas no atual cenário brasileiro. O último lançamento deles, ao qual me refiro na entrevista, foi o excelente EP "Olhos são moscas atrás de nós" (Download altamente recomendado!)





SITES:
http://www.myspace.com/caoandaluz
http://belasco.oktiva.net/

1. Quantos anos você tem e há quantos anos existe a banda? já teve outras bandas?

28 anos. Sim, já tive outras bandas. O nome George Belasco veio por causa da outra banda que eu tinha, chamada Belasco. A sonoridade era mais puxada pro indie rock e pra cousas tipo as bandas presentes nas primeiras coletâneas Nuggets. Toquei como músico de apoio nas bandas Zefirina Bomba (PB), onde fui baixista e baterista por 4 meses, e Astronauta Elvis (MS).

2. Descreve aí como são as apresentações? Qual o lugar que você sente mais orgulho de ter tocado? Você está satisfeito com a quantidade e qualidade dos shows?

Ah, as apresentações são algo mais próximo de happenings, uma vez que temos um setlist não-uniforme. Certas canções não têm letra definida e são momentos de experimentação linguística-poética, como é o caso de Inacabada. Outras se extendem às vezes num acesso de psicodelia ou são adaptadas ao momento que estamos vivendo coletivamente. Sinto muito orgulho de ter dividido palco com o The Nation Blue, da Austrália, na edição 2007 do Festival Ponto.CE. Os caras vieram falar conosco no final da nossa apresentação e fizeram algo que, acredito eu, vai para além da rasgação de seda. A qualidade dos shows tem crescido dada a pouca quantidade que temos feito. Não paramos ensaiar, mas como temos uma vida real com necessidades reais (faculdade, pesquisas, elaboração de projetos, empregos e vida pessoal), damos à banda um valor simbólico que não é o do empreendimento sujeito a pressões mercadológicas. Não somos uma empresa, não somos um bar, não somos um centro cultural; somos três caras guiando as próprias vidas com a trilha sonora que nós mesmos fazemos.

3. Este EP diz todas as músicas são compostas e executadas por "George Belasco", se refere à você especificamente e não à banda, certo? Como é que funcionam as gravações, é estúdio caseiro, você pega e fica retrabalhando no computador, etc?

Dada a falta recorrente de grana pra injetar na banda, aliada ao grande desejo de experimentação, utilizo tecnologias de baixo custo (PCs caseiros) pra dar vazão ao que vier somar às composições. Não posso exigir dos meus colegas de banda (Lucas Jereissati e Leo Mamede) que passem cinco horas de frente pra um monitor escolhendo qual a melhor combinação de sintetizador pra 6 segundos de música. [risos]

4. Como você se sente em relação à música do Ceará? A cena atual, as figuras lendárias dos anos 70?

Me sinto descolado dessa realidade, uma vez que não falamos de estética da fome, não comungamos com os ideais da música que se propõe hegemônica -- e aqui não falo do forró eletrônico que domina as rádios populares, mas da mpb beira-mar que subsiste pela injeção de dinheiro do poder público -- e tampouco penso no rock como um estilo contestador. A cena atual tem muito dessa coisa de acreditar numa contestação vazia do "rock estilo autoral". Bobagem. Boas idéias são mais interessantes, dado seu aspecto viral; uma boa idéia contamina as pessoas que entram emcontato com ela.

Sobre as figuras lendárias, você mesmo disse: são lendas. Prefiro Sacis, Curupiras e Bois Tatás.

5. Diga umas 5 bandas atuais, nacionais ou internacionais, que assim como o Cão Andaluz, vale a pena escutar e ainda são pouco reconhecidas.

Gostei bastante do Vampire Weekend, com disco homônimo lançado este ano. Outra que é bem boua é o Animal Collective, que toca no país até o final do ano. Dos nacionais, indico: 1. o Jan Felipe (RJ) ( myspace. com/janfelipe), que conheci aqui no Myspace mesmo. 2. Guizado (SP) 3. Burro Morto (PB ou SP?) 4. Meu Amigo Imaginarium (CE)

6. Você disse que as gravações do álbum tinham sido canceladas, sei lá, como ficou a situação? Voltaram a gravar, vão voltar a gravar? Quando lançam o disquinho? Quantas músicas serão? adianta as tracks!

Estamos sempre em processo de gravação. Tenho material no computador pra fazer pelo menos dois discos da banda e um "solo", se é que a palavra cabe numa banda como o Cão Andaluz. O rumo das coisas está meio que ao sabor do vento porque agora não é o momento. E quando será? Pra frente, sempre pra frente.

¿Trax? Despues... George Belasco

...

Valeu, George, estaremos ligados esperando os lançamentos do Cão Andaluz.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Molotov 2008

Só um comentário tardio sobre o Coquetel Molotov 2008: eu não vi direito os shows!

Os que eu assisti integralmente e com mais calma foram o do Cidadão Instigado e o do Monodecks (este último na mostra paralela Play The Movie).

Cidadão entrou de última hora no programa do festival, devido a uma treta com o Vanguart.
Foi uma troca boa, um bom show. Eu acho apenas que nem tudo da proposta musical de Catatau e sua banda é digerível, não porque seja experimental demais, mas apenas porque falta um pouco de emoção e verdade na performance musical. Soa como se ele quisesse ser esquisitinho cult... Mas teve muitos bons momentos.

O Monodecks fez um belíssimo show tocando suas músicas no cinema da Fundação, enquanto a tela mostrava imagens do filme PI, de Darren Arforkfjiwekski (ou algo assim). Achei excelente, principalmente porque evitaram os clichês mais tediosos do indie-pós-rock (tá, uma ou outra música podem ter resvalado em algum clichê, mas no todo foi uma apresentação do c... e bem sintonizada com o filme.)

No mais, gostei bastante do Guizado, Burro Morto, vi três músicas de Marcelo Camelo e até gostei (para minha própria surpresa). Inclusive baixei o cd do cara, para ouvir de novo as músicas que gostei no show, principalmente a do assobio, "Doce Solidão" - boa pra carai, apesar de quando vi a palavra "Solidão" no título achei que ia ser horrível. Ainda não formulei uma opinião sobre o "Sou", mas mando aí o link para baixar: download aqui. Ah, e tem uma crítica espirituosa sobre ele, feita por Yuri Bruscky no site da Continente.

PS: Não fui o segundo dia, mas em compensação vi Mallu Magalhães no show de Camelo, e estava fazendo meu próprio show em Olinda. Depois eu devo postar algum vídeo no Youtube do Sabiá.

.
Tá aí o Monodecks com "preto velho":
http://www.youtube.com/watch?v=ld9KgkeVrhg

.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Paintbox

Esse blog presta uma homenagem tardia ao grande Richard Wright, tecladista do Pink Floyd que morreu semana passada.

Dentro da banda, ele não era o mais prolífico, mas suas composições tinham uma qualidade impressionante.

Deixo vocês com Paintbox, bem característica dos primeiros anos do Floyd. Um clipe bem legal. Pouca conhecida, a canção consta da coletânea Relics (que tem outra bela música só dele, "Remember a Day").

.

.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Vá no SABIÁ SENSÍVEL neste sábado dia 20 setembro!

É nóis total, neste sábado dia 20 vai ter show do Sabiá Sensível.
Esta banda na qual eu toco violão e canto, é simplesmente tudo que você sempre sonhou!
Agora estamos oficialmente com MY SPACE.
...
http://www.myspace.com/sabiasensivel
...
O show vai ser em Olinda, no famigerado Bar do Déo, Largo do Amparo (impossível não encontrar).
Vai ser mais uma NOITe DAS ChAMAS, com muita coisa acontecendo ao mesmo tempo.
Segura essa peteca.
A gente deve começar a tocar depoiis das 23h....
Sáb 20/set/2008 por apenas R$ 3,0.

Vai ser muito massa, e a despedida da nossa atual formação. Imperdível!

Não vá pra Zeca Baleiro, vá pro Sabiá. Pro Coquetel Molotov, até que dá pra você ir, você vai e esquematiza pra ver uns shows gratuitos que tem no início, depois toca pra Olinda ver o Sabiá.
Perfeito !

PS: A foto foi retirada da incrível coleção desse FLICKR de Okinawa Soba.
....


Capivara no Youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=nyDKe32t7SY
...

...
Menina chata Menina Besta
http://www.youtube.com/watch?v=cVdWtBXvzKA
...

algumas boas novidades e velharias pra baixar

Sem tempo de ajeitar o post, mas lá vai:
Muitos downloads hoje.

Essa banda nova, Fan Death, é bem legal.
http://gorillavsbear.blogspot.com/2008/08/fan-death.html

Novo mp3 do próximo Howling Hex! HH tava devendo uma música assim. É diferente, mas legal. A foto aí é de um show deles, achada no Flickr.
http://www.dragcity.com/dragcity.html

Novíssimo TV ON THE RADIO
amostras aqui:
http://cemusic.blogspot.com/2008/09/album-of-year-trumped-again.html
álbum todo:
procura no http://unapieldeastracan.blogspot.com/
que tem também os novos de Juana Molina e Kings of Leon !

Eu OVo mostra novidades brasileiras: Ana Cañas e Burro Morto (que vai estar no Coquetel Molotov).

Novo do Brightblack Morning Light
http://nirso.blogspot.com/2008/09/brightblack-morning-light-motion-to.html

os quatro primeiros do Herbie Hancock
http://nirso.blogspot.com/2008/08/herbie-hancock-four-first-albuns.html

Aproveitando o recente show em SP,
o pessoal botou a discografia do SMOG pra baixar.
http://wearedisabled.blogspot.com/2008/09/smoggy.html
sem falar que o Disabled também postou os três primeiros do Pere Ubu:

http://wearedisabled.blogspot.com/2008/08/peter-we-love-you.html

PLAY THE MOVIE

Pra quem tá de bobeira no Recife e cercanias,
muitíssimo recomendada a mostra Play The Movie,
que tem início hoje e é organizada pelo Coquetel Molotov.

http://www.coquetelmolotov.com.br/noar2008/festival/cinema/

Dentro desta programação, na quarta às 20h30 tem até show do Monodecks com projeção de "PI" !
http://www.myspace.com/monodecks
E na quinta vai ter Olivier Mellano com projeção de "Aurora" de Murnau !

O festival promove shows na UFPE sexta e sábado, programação completa aqui!
Vá lá mesmo que não tenha grana, tem alguns shows gratuitos muito bons.
(Sábado eu tenho uma programação alternativa pra vocês, vou postar mais tarde: é o show da minha banda, claro!).

domingo, 14 de setembro de 2008

Leões de Bagdá

Cara, recentemente li o muitíssimo comentado "Os Leões de Bagdá" (Pride of Baghdad)
de Brian K. Vaughan e Niko Enrichon.
Uma das graphic novels mais elogiadas dos últimos tempos.
Comprei botando fé.
A opinião: funciona até um certo ponto, mas está longe de ser uma obra-prima.

É uma pena.
Isso pra mim diz muito a respeito da falta de rigor que se observa na crítica sobre quadrinhos, da falta de roteiristas bons no cenário americano de quadrinhos e do esgotamento da linha Vertigo da DC Comics.

Apesar de ter um tema muito excitante e original (um fato real - durante um ataque americano, o zoológico de Bagdá foi destruído e os leões circularam livremente pelas ruas de Bagdá), o roteiro elaborado por Vaughan não consegue aprofundar nem dar beleza à estória que ele se propõe a contar.

O roteiro desperdiçou a oportunidade de abordar o lado mais humano ou desumano da guerra, de fazer reflexões. Elegeu incompreensivelmente um urso como vilão da trama (totalmente desnecessário, parecendo uma tentativa desesperada de ser hollywoodianamente emocionante) e resultou em algo esquemático e pouco interessante.

O ponto positivo foi a arte, que no entanto não justifica sozinha a aquisição do trabalho.
Algumas sacadas do roteiro foram muito boas, mas o conjunto da obra....
Eu esperava um pouco mais. Do jeito que está, é apenas um relatozinho de aventura com pitadas de crítica social, uma coisa sem consistência, algo que não é nem profundo nem simples, uma coisa que ficou no meio do caminho.
Mas muita gente gostou e você pode gostar, de repente é a sua praia.
A edição nacional da Panini estava muito boa, preço acessível, ótima impressão, etc.

..../-

O próximo post quero escrever sobre Grant Morrison e seus Sete Soldados da Vitória. Sim, sei que estou um pouco atrasado, mas quero escrever um pouquinho sobre isso. Porque no fim das contas, a renovação ocorrida nos anos 80 com a invasão britânica trouxe para os quadrinhos grandes roteiristas britânicos. E depois, dos anos 90 em diante, não houve nenhuma revelação que se compare ao brilhantismo de gente como Alan Moore, Neil Gaiman, Peter Milligan e Grant Morrison. E os trabalhos mais recentes de Morrison comprovam que ele é um dos mais incansáveis roteiristas dessa geração e um dos poucos que não deixou a peteca cair (junto com Alan Moore - sua maior influência e maior desafeto). Mais do que isso, eu acho que Morrison vem evoluindo!

Mas isso é assunto para o próximo post.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

SEM BARATO?

O blog Som Barato foi fechado por forças misteriosas...
Soube hoje... isso rolou por pressões de direitos autorais, essas coisas,
mas é bom salientar inclusive que parte do conteúdo disponibilizado não tinha sido lançado em cd, ou estava fora de catálogo ou estava lá a pedido dos artistas que viam no blog uma grande janela, uma maneira de tornar sua musica mais conhecida.
mas não se preocupa não que a galera já está substituindo o dito cujo!

que a força esteja com vocês!

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Expo na Fundaj

Não é só porque ele é meu amigo, não,
mas deixa eu divulgar a nova expo do João ...
Manoel Feliciano!
Sou fã do cara como artista plástico, compositor e ser humano !

João Feliciano e Bruno Vilela expõem pelo Trajetórias 2008

Entrando em sua terceira fase este ano, o projeto abre neste dia 4 duas mostras individuais com a presença dos artistas. Na Galeria Baobá, o público poderá conhecer as séries fotográficas denominadas Collum Capillus, Crystallus Capillus e Viola Capillus e o vídeo Barca Capillus, do artista plástico João Manoel Feliciano. Já a Galeria Massangana apresenta as fotografias de Bruno Vilela que mostram “heroínas femininas que perderam a sua superestimada inocência”. Até o próximo dia 6, fica em cartaz a artista Isabela Prado com a instalação interativa A 1:57 m, que procura provocar sensações diversas em relação ao espaço e à sua consciência em nós.



Serviço

O que: Projeto Trajetórias 2008

Abertura: João Feliciano e Bruno Vilela

Quando: dia 4 de setembro, às 19h. Em cartaz até 12 de outubro

Visitas: de terça a sexta-feira, das 9 às 12h e das 13 às 17h; sábados, domingos e feriados, das 14 às 17h.

Endereço: Fundação Joaquim Nabuco. Av. 17 de Agosto, 2187 – Casa Forte, Recife – PE. CEP: 52.061-640.

Mais informações na página da FUNDAJ !

terça-feira, 2 de setembro de 2008

trouxe umas coisa pra ocês!

um pouco de cHARLES bURNS nessa galeria virtual : deslumbrante.

uma leitura do final de Ghost World (Daniel Clowes)..."You´ve grown into a very beautiful young women".

lindíssimas as ilustrações (como esta aí) de Annika Bäckström

uma galeria das geniais dobradinhas MAD do Al Jaffee! Pra mim talvez seja a melhor coisa da MAD e fico pasmo de ver como o cara conseguia criar esses ilusões de ótica, q deviam ser bem trabalhosas. Ótimo: você junta A + B e não precisar dobrar a sua preciosa revista.

ilustrações para o livro Frankenstein, pelo gravurista Lynd Ward, um dos pioneiros da graphic novel. Com a excelência que você já conhece.

mais uma história de Steve Ditko.