quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Bonito, né, Paul Pope











Acabo de reler Batman : Ano 100.

Talvez eu não tivesse relido, não fosse a falta de HQs novas à disposição no meu quarto, naquela noite de insônia. A trama é apenas regular, mas o resultado é bem feito e honesto. É assistir um bom filme de ação, saca? Nada que te emocione demais, mas o suficiente para te manter entretido por duas horas. Mas tudo isso feito com um estilo forte e bem pessoal, com toques originais.

E agora descobri o Flickr do homem: Paul Pope.

Pode visitar que tá bem recheadinho de desenhos, serigrafias, qwadrinhos, etc. Ele é um caso bem curioso e atípico na indústria americana de quadrinhos. PQP, o cara simplesmente transborda talento e bom gosto. Acima de tudo, o cara é extremamente aberto quanto as influências. Do mangá à Banda Desenhada européia, ele reprocessa tudo isso para o contexto dos quadrinhos mainstream americanos.

Tudo bem, Frank Miller também fez isso nos anos80... (e faz sentido a comparação, pois sem as obras de Miller com o Batman não existiria Batman: Ano 100) mas o traço de Paul Pope é muito mais delicado, além dos temas serem mais variados e a posição política mais libertária. Reflete uma fusão mais homogênea dessa influências. Além de que Pope começou e tem um pé nos quadrinhos alternativos... Na verdade, nem conheço o cara a fundo assim, mas sempre há um uso maior de referências, uma coisa que pressupõe um maior refinamento do leitor. Às vezes Frank Miller é demasiadamente descerebrado...


Além de tudo, Paul Pope é incrivelmente bonito! (amplie: ele é o da esquerda, sem barba na foto, é tipo uma versão mais galã italiano do Ariel Pink)

Como é possível? Que inveja.
Diferente da maioria dos nerds que geralmente escrevem ou desenham HQs do Batman, ele tem interesses mais variados... talvez um dos caras que mais tenham a ver com ele nos quadrinhos americanos seja Mike Allred... eles partilham uma certa sofisticação e um uso de referências pop que estão além do mero culto aos quadrinhos de super-herói.






BRASIL - Tem pouca coisa dele publicada no país. Que eu saiba, tem a ótima graphic novel 100% (crítica social e casos de amor em um contexto de ficção científica), um quadrinho curto do John Constantine em Vertigo Inverno (massa), além de Batman: Berlin (muito legal, na linha O que aconteceria se Bruce Wayne tivesse nascido na Alemanha?). Todos esses que eu citei foram publicados pela Opera Graphica, mas o Batman: Ano 100 saiu pela Panini Comics.

Pra finalizar, só dar um toque sobre recentes trabalhos de PP. Segundo a Wikipedia, o cara tá fazendo graphic novels, Battling Boy para a First Second Books, e La Chica Bionica paraa Dargaud. E olha o item de colecionador aí embaixo. Coisa de louco essa capa baseada em Sergio Leone.


Harmonica Man, an edition of 50.
16 1/4 x 33 1/2 inches (image size)
19 1/4 x 36 1/2 inches (paper size)

17 color screenprint on Coventry Rag 320 gsm

Printed at Axelle Editions
$200
forthestate.com/



thjatsallfolkkksssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss !

Um comentário:

Nova Poesia Ambiental disse...

Que achado hein German! Muito duca